Publicado por: geovankubalc | 4 de Março de 2010

Três mal entendidos sobre Maria: Santa pelos seus próprios méritos (parte II)

gkuba@legionaries.org

Confira a primeira parte: Três mal entendidos sobre Maria: adoração a Maria

Quantas vezes já paramos para pensar por que rezamos a Maria?

Seguramente responderíamos: porque ela é santa. Foi a mãe de Cristo, como não vai ser santa. Seguramente esta será a razão do por que rezamos a ela. Pois essa é exatamente outra das dificuldades dos nossos irmãos separados que estão em outras seitas e nos atacam.

Como vimos no artigo anterior, existem muitos mal entendidos de outras pessoas em relação a nossa doutrina católica. De que Maria seja poderosa, santa pelos seus próprios méritos como dizem alguns somente pode ser uma dessas interpretações equivocadas.

No número 2676 do Catecismo da Igreja Católica encontramos este comentário sobre Maria: “As duas palavras de saudação do anjo (Cheia de graça, o Senhor é convosco) se esclarecem mutuamente. Maria é cheia de graça porque o Senhor está com ela. A graça com que ela é cumulada é a presença daquele que é a fonte de toda graça.”

Como cada ser humano, a Virgem Maria também necessitou da graça de Deus e dependeu completamente Dele para salvar-se, igualmente como cada um de nós. Como disse o evangelho: “não tenhas medo Maria, porque encontrastes graças aos olhos de Deus.” (Lc 1, 30) A diferença entre ela e nós está em que Maria recebeu um dos dons maiores na face da terra: a vocação de ser mãe de Cristo, nosso Deus e Salvador. Logicamente, pela grandeza deste chamado, Deus lhe concedeu graças mais especiais.

Para toda pessoa que busca viver uma vida santa e dedicada ao Nosso Senhor, Ele sem duvida a concederá. Este foi o caso da Virgem Maria. Como bem sabemos, a historia pessoal de Nossa Senhora, ela queria ser virgem e dedicar-se totalmente a servir a Deus. No seu coração já existia a vontade de viver uma vida santa, ela pediu a Deus e Ele a escutou. Não somente é Santa, mas se pode dizer que é aquela que encontrou mais graças diante dos olhos de Deus.

Com o sim de Maria ela coopera com Deus para a obra da salvação dos homens. No entanto toda graça vem Dele. A Nossa Senhora é como um espelho que recebe a luz de Cristo e a reflete aos outros. Assim também devemos ser cada um de nós. Dizer que uma pessoa é santa por si mesmo é dizer que o reflexo é emitido pelo próprio espelho.

Quando rezamos a Maria podemos ter em mente de que ela será este canal da graça de Deus para que chegue até nós. Agora terão mais sentido nossas orações a ela.

Vença o mal com o bem!


Responses

  1. Caros Irmãos/ãs
    Desde que comecei a ler os textos publicados neste blog, não tenho nada que dizer a não ser elogiar-lhes pelo cuidado em não publicar artigos ou algo que os valham que não estejam de acordo à doutrina católica. Para quem conhece a nossa doutrina, o que foi dito não interfere em nada na compreenção do exposto, porém, com certeza, pessoas de outras denominações que não a católica e algumas outras também cristãs, o pequenino descuido pode ser motivo de críticas infundadas, pois satanás gosta de usar lupas para atacar os servidores do Senhor e Seu Evangelio, fazendo com que um cisco se transforme numa trava, não é?
    Pertenço a uma comunidade e sirvo a Deus através do trabalho de evangelização de pessoas adultas e que se afirmam católicas, mas ao começar a tomar conhecimento da verdadeira doutrina, simplesmente se mostram, às vezes, escandalizadas com os temas expostos, e por isso tomamos máximo cuidado com o que vamos falar-lhes; ainda são crianças, e como disse S. Paulo, é necessário alimentá-las com leite, para depois que estiverem prontas e mais amadurecidas, dar-lhes alimento sólido. Quanto às declarações do Santo e saudoso Jõao Paulo II, as li quase todas e também suas encíclicas assim como do Papa Bento.
    Como o mundo seria diferente do que é se os católicos, ao invés de ler coisas que a nada levam, lessem e guardassem as palavras dos seus pastores aqui na terra, e tivessem, em suas casas, o Catecismo da Igreja Católica. Já estaríamos vivendo um pouquinho do paraíso aqui mesmo…

  2. Muito estimado leitor: agradeço de coração a correção que me fizeram de um descuido de expressão que tive neste artigo. Espero não tenha causado nenhum escândalo ou confusão. De qualquer forma peço perdão e buscarei estar mais atento a posteriores escritos.

    Nesta frase do artigo, mais que uma afirmação, foi uma expressão, pois a intenção era deixar em geral sem indicar denominações para tampouco ferir a caridade que Cristo nos ensinou. Este é um dos problemas da apologética: como compaginar a caridade com o dever de transmitir a verdade. Por isso, devemos cuidar como expressar-nos com claridade e bondade.

    A propósito do comentário feito, estou de acordo. Para quem estuda filosofia ou teologia sabe que há uma diferença substancial entre religião e seita. Talvez o leitor se lembre da afirmação do Papa João Paulo II a sua declaração Dominus Iesus sobre a Religião Católica ser a única plenamente verdadeira. Pode ser encontrada esta afirmação nesta declaração do Papa que se encontra neste site do vaticano: http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_20000806_dominus-iesus_po.html

    Também nosso atual Papa Bento XVI em um discurso reafirmou a veracidade da Igreja:
    http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/speeches/2008/january/documents/hf_ben-xvi_spe_20080131_dottrina-fede_po.html

    De minha parte, não tenham duvida de minha adesão a tudo o que diz a Igreja através do Papa e do Magistério. Meu maior zelo é a boa difusão da nossa fé.

    Por outra parte, Penso que devemos motivar-nos a ajudar-nos desta maneira, pois estes tipos de correções criam um bom espírito de ajuda mutua e um desejo de viver nossa fé com amor e sabedoria. Sou totalmente grato ao leitor que me fez esta sugestão.

    Reitero meu maior respeito e admiração pelos nossos queridos leitores e espero estar ajudando-lhes com os meus escritos. Fico a suas disposições e comentários que podem livremente faze-las também a traves do meu e-mail.

    Seu servidor em Jesus Cristo, Ir. Geovan Kuba, LC

  3. Perdoe-me pois talvez esteja eu errado, mas já no segundo parágrafo há uma afirmação com a qual não posso concordar. Ali está escrito: – ” outras das dificuldades que os nossos irmãos separados (que estão em “outras” seitas nos atacam). Ora, há uma substancial diferença entre religião e seita, e esse minúsculo deslize, certamente despercebido pelo autor, pode gerar confusão e até mesmo crítica por parte de seitas pseudocristãs. Não formamos uma seita e sim somos a verdadeira religião congregada na verdadeira igreja fundada pelo proprio Cristo e firmada e confirmada pelo sangue de muitos mártires. O texto é muito bom e esclarecedor, porém, as vezes, um pequenino deslize pode gerar uma interpretação erronea por parte de muitos.
    Obs:- Igrejas cristãs históricas tais como Luterana, Anglicana Presibiteriana da Escocia e etc… não veneram a Maria, mas nutrem por Ela profundo respeito e A reconhecem como Mãe de Deus, posto que é Mãe de Jesus e Jesus é Deus.
    Que a paz de Jesus e o amor de Maria Santíssima seja consigo.


Categorias

%d bloggers like this: