Publicado por: jmaurojr | 9 de Janeiro de 2010

Epifania do Senhor

Comemoramos no último dia 06 de Janeiro a Epifania do Senhor, saibamos um pouco mais sobre ela:

A Origem oriental desta solenidade está implícita no seu nome: Epifania (revelação, manifestação). Os latinos usavam a denominação festividade da declaração ou aparição com significado de revelação da divindade de Cristo ao mundo pagão através da adoração dos magos, ao judeus com o batismo nas águas do Jordão e aos discípulos com o milagre das bodas de Caná. O episódio dos Magos, que está além de nossa possível reconstrução histórica, podemos considerá-lo como fizeram os Padres da Igreja, o símbolo e a manifestação do chamado de todos os povos pagãos à vida eterna. Os magos foram a declaração explícita de que o Evangelho era pra ser pregado à todos os povos.

Na Igreja Oriental é enfocado particularmente o batismo de Jesus. São Gregório Nanzianzeno chama-a de “Festa das Luzes” e a contrapõe à festa pagã do Sol Invicto. Na realidade, tanto no oriente como no ocidente a Epifania tem o caráter de uma solenidade ideológica que transcende os episódios históricos particulares. Celebra-se a manifestação de Deus aos homens na pessoa do Filho, isto é a primeira fase da redenção. Cristo se manifesta aos pagão, aos Judeus e aos apóstolos. São três momentos sucessivos do relacionamento Deus-homens.

Ao pagão Deus fala através do mundo visível; o esplendor do sol, a harmonia dos astros, a luz das estrelas no firmamento ilimitado são portadores de uma certa presença de Deus. Os magos descobriram no céu os sinais de Deus. Tendo como ponto de partida a natureza os pagãos podem “cumprir as obras da Lei”, diz São Paulo. E aos habitantes de Listra: “…o Deus vivo que fez o céu, a Terra, o mar e tudo quanto neles há. Ele permitiu nos tempos passados que todas as nações seguissem os seus caminhos. Contudo, nunca deixou de dar testemunho de si mesmo, por seus benefícios: dando-vos do céu as chuvas e os tempos férteis, concedendo abundante alimento e enchendo os vossos corações de alegria” (Atos 14, 15-17). Mas “ultimamente falou-nos por seu filho, que constituiu herdeiro de tudo, por quem igualmente criou o mundo” (Hb 1,2). Os numerosos mediadores da manifestação divina encontram seu término na pessoa de Jesus de Nazaré, no qual resplandece a glória de Deus. Por isso podemos hoje exprimir “a humanidade, trepidante, mas plena e jubilosa profissão de nossa fé, de nossa esperança e de nosso amor”. (Paulo VI).


Categorias

%d bloggers like this: