Publicado por: siluchoa | 21 de Dezembro de 2009

Santos do mês de Dezembro (Parte 3)

Dia 13 de dezembro celebramos Santa Luzia, Virgem e Mártir. Provavelmente morreu em Siracusa, na perseguição de Diocleciano. Desde a antiguidade, seu culto estendeu-se por quase toda a Igreja e seu nome foi incluído no Cânon romano.

“Com esplendor do espírito, enches de luz a graça de teu corpo. Tu, uma dentre o povo, uma plebe, sem dúvida, uma das virgens, que com o esplendor do espírito enches de luz a beleza do teu corpo, tu, digo eu, à noite e em teu leito, meditas sempre em Cristo e aguardas sua vinda e todo o momento (…) Procurei-o e não o encontrei; chamei-o e não me escutou (…) Quem te deve ensinar como prender O Cristo, a não ser a Santa Igreja? Ou melhor, já ensinou, se compreendes o que lês: “mal eu havia ultrapassado os guardas, encontrei o amado de minha alma; segurei-o, não o largarei”. Com que se prende Cristo? Não com os laços injustos, não com nós de corda; mas com os vínculos da caridade (…) Aquela que assim buscou a Cristo, que encontrou a Cristo pode dizer: “Segurei-o, não o abandonarei, enquanto não o introduzir na casa de minha mãe e no quarto daquela que me concebeu” Que é a casa da tua mãe e seu quarto? Não será o íntimo mais secreto de tua natureza? Guarda esta casa, limpa os seus recônditos, e, assim, quando estiver limpa, levantar-se-á como casa espiritual para o santo sacerdócio, fundada na pedra angular, e o Espírito Santo nela habitará (…)” (Do livro “Sobre a Virgindade” de Santo Ambrósio, bispo).

No dia 14 de dezembro celebramos a Memória do Presbítero e Doutor da Igreja, São João da Cruz. Nasceu na Espanha, pelo ano de 1542. Após algum tempo passado entre os carmelitas, em 1568, por instigação de Santa Teresa de Ávila, tornou-se o primeiro dos frades na reforma da Ordem, suportando por isto inúmeros sofrimentos e trabalhos. Em 1591 morreu em Ubeda, célebre pela santidade e sabedoria, de que dão testemunho as obras espirituais por ele escritas.

“…) Por isso é preciso cavar fundo em Cristo, que se assemelha a mina riquíssima, contendo em si os maiores tesouros; nela por mais que alguém cave em profundidade, nunca encontrará fim ou termo. Por este motivo o apóstolo Paulo falou acerca de Cristo: “Nele estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência de Deus” (…) Com quanta razão a alma, sedenta da divina sabedoria, escolhe antes em verdade entrar na espessura da cruz. Por isso São Paulo exortava os efésios a não desanimarem nas tribulações, a serem fortíssimos e “arraigados e fundados na caridade para que pudessem compreender com todos os santos qual a largura, o comprimento e a supereminente caridade da ciência de Cristo, para serem repletos de toda a plenitude de Deus”. Já que a porta por onde se pode entrar até esta preciosa sabedoria é a cruz, e é porta estreita, muitos são os que cobiçam as delícias que por ela se alcançam, pouquíssimos os que desejam por ela entrar”. (do “Cântico espiritual”, de São João da Cruz, presbítero).

E no dia 21 de dezembro celebramos São Pedro Canísio, também Presbítero e Doutor da Igreja. Nasceu em 1521, em Nimegue na Gelria (hoje Holada); fez seus estudos em Colônia e ingressou na Sociedade de Jesus; em 1546 recebeu o sacerdócio. Enviado à Alemanha, muitos anos trabalhou incansavelmente por escritos e pregação na defesa e fortalecimento da fé católica. Publicou muitas obras, entre as quais se destaca seu “Catecismo”. Faleceu em Friburgo na Suíça, em 1597.

“No Coração de Cristo a fonte da missão apostólica (…) Tinha sede de pobreza, de castidade, de obediência; suplicava ser todo lavado, vestido e ornado por ti. Por isto, após haver ousado tocar em teu dulcíssimo coração e saciado nele minha sede, tu me prometias uma túnica tecida em três partes, que pudessem cobrir a alam nua, inteiramente conforme essa missão: eram paz, amor e perseverança. Munido de tal veste salutar, tinha confiança em que nada me faltaria, mas tudo redundaria em tua glória”. (Dos Escritos de São Pedro Canísio, presbítero).

Ainda em dezembro, no dia 23, celebramos São João Câncio, Presbítero da Igreja. Nasceu na cidade de Kety, da diocese de Cracóvia, em 1390; recebido o sacerdócio, exerceu por muitos anos os magistério na academia Cracóvia e, em seguida, o encargo da paróquia de Ilkusi. A uma doutrina segura, muito bem transmitida, uniu as virtudes, principalmente a piedade e caridade para com o próximo, de forma a tornar-se modelo para os colegas e discípulos. Morreu no ano de 1743.

“Inteiramente único no coração, único nos lábios estava Deus. Entre os homens ilustres e notáveis pela doutrina e santidade, que vivem e ensinam a fé autêntica e defendem-na contra o ataque dos adversários, São João Câncio foi certamente digno de ser contato entre poucos. Esforçava-se me sua pregação, por explicarão povo um modo de viver mais santo e o confirmava pela humildade, castidade, misericórdia, penitência corporal e outras virtudes próprias dos sacerdotes íntegros e dedicados operários. Companheira da humildade era sua rara simplicidade, digna de uma criança. Em seus atos e palavras, nada de falso, nada de fingido; o que guardava no coração, isto mesmo estava-lhe na ponta da língua (…) Totalmente único no coração, único nos lábios estava Deus (…)” (Dos documentos do papa Clemente XIII).

Peçamos aos Santos e Santas do Senhor, modelos de fé, dignidade e total entrega de suas vidas a Deus, as virtudes necessárias para alcançarmos junto deles a Vida Eterna. Amém.

Todas as citações e fontes das vidas dos Santos e Santas aqui levantadas são do “Liturgia das horas-Ofício das Leituras- Próprio dos Santos” da Edições Paulinas (1987)


Categorias

%d bloggers like this: